Poema – Por Guerra Junqueiro

“Pegai numa ampulheta enormíssima, enchei-a
De séculos sem fim; séculos são areia,
O tempo é o areal.
Depois, para medir o infinito profundo,
Deus com a própria mão lança-lhe dentro um mundo,
Sonda descomunal.
Durante a eternidade infinita que amedronta,
Cairão da ampulheta os séculos sem conta
Nos abismos fatais,
Que esse mundo a tombar como um grande aerólito
Nunca, nunca achará o fundo do infinito,
Jamais, jamais, jamais!
O infinito, o infinito, o insondável arcano!
Um sonho realidade, uma visão cruel...
O tempo sobre o Espaço... o abismo sobre o oceano...
Mas oceano sem praia, o abismo sem cairel!...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.